Eixos Temáticos

O CBIS 2020 está organizado em seis principais eixos, que refletem o panorama de pesquisa e prática desta área de Informática em Saúde, desde genôma e medicina de precisão ao estudo de populações e saúde global.

Os autores devem obrigatoriamente selecionar um eixo temático para a submissão do seu trabalho. Cada eixo engloba uma lista não exaustiva que define o escopo da submissão.

 
1. Informática Translacional

Trata do desenvolvimento de métodos de armazenamento, análise e processamento de grande volume de dados sobre genoma e outros dados clínicos, para uso em saúde proativa, preditiva, preventiva e participativa. Inclui a pesquisa sobre o desenvolvimento de novas técnicas para a integração de dados biológicos e clínicos e a evolução da metodologia da informática clínica para englobar observações biológicas, produzir conhecimento integrativo para cientistas biomédicos, profissionais de saúde e pacientes, apoiar a medicina de precisão e otimizar os recursos disponíveis para a saúde. Trata, ainda, do uso da informática na descoberta e gestão de novos conhecimentos relacionados à saúde e a doenças. Inclui o gerenciamento de informações relacionadas a ensaios clínicos e ao uso de dados secundários. Resultados relacionados aos estudos e qualidade de dados fundamentam o desenvolvimento. implementação e manutenção de sistemas clínicos de ponta, incluindo registros eletrônicos de saúde, suporte à decisão clínica e o registro do desfecho do atendimento, garantindo a segurança e resultados significativos para o paciente.

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Biologia Computacional
  • Informática em Pesquisa Clínica
  • Uso secundário de dados em saúde
  • Modelagem de sistemas para pesquisa clínica
  • Sistemas para recrutamento e acompanhamento de ensaios clínicos
  • Protocolos clínicos em Registros Eletrônicos
  • Genômica
  • Modelo Computacional em Biologia Clínica
  • Bioinformática
  • Análise de Grande Volume de dados Biológicos
  • Mineração de dados biológicos
  • Processamento de Linguagem Natural
  • Ciência da Informação
  • Modelos de visualização de dados biológicos
  • Farmacogenética
  • Medicina de Precisão
  • Ética/Bioética
  • Modelagem de Grande Volumes de Dados de Saúde (DW, Data Lake)

 
2. Informática Clínica

É o uso da tecnologia da informação e comunicação no atendimento em saúde, suporte à decisão clínica, imagens médicas digitais, documentação clínica, prescrição, projeto e implantação de sistemas clínicos, estudo de casos e uso de dados e tecnologia da informação para prestar serviços de saúde e melhorar a capacidade dos pacientes em monitorar e manter sua própria saúde. Inclui métodos para coletar, armazenar e analisar dados de cuidados de saúde, estudo das necessidades de informação e dos processos cognitivos e modelos para atender a essas necessidades. Pressupõe o uso de métodos para apoiar decisões clínicas, abrangendo o resumo do atendimento e o sumário de alta, visualização das informações, fornecimento de evidências e suporte a decisões, otimizando o fluxo de informações e de forma coordenada com o trabalho dos profissionais de saúde, para maximizar a segurança do paciente e a qualidade do atendimento. Compreende também os métodos e políticas para uso da informação clínica, incluindo privacidade e segurança

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Prontuário Eletrônico
  • Registro Eletrônico de Saúde
  • Robótica e Realidade Virtual Aplicadas ao Cuidado em Saúde
  • Computação Gráfica e Processamento de Sinais e Imagens em Saúde
  • Sistemas de Apoio à Decisão Clínica
  • Sistemas de Prescrição Eletrônica
  • Sistemas de apoio ao Cuidado
  • Sistemas de Gestão Administrativa
  • Sistemas de Gerenciamento de assistência ao Paciente Crônico
  • Protocolos e Guidelines Clínicos
  • Informática Clínica
  • Sistemas de Informação Clínica
  • Registros Pessoais de Saúde
  • Avaliação de Sistemas Clínicos
  • Interação Homem-Computador/usabilidade
  • Aspectos Legais, Éticos e Regulatórios
  • Segurança do Paciente
  • Privacidade e Confidencialidade

 
3. Infoestrutura, Interoperabilidade e Integração

Este eixo trata dos métodos para desenvolver, testar e implementar sistemas de captura, registro, compartilhamento e integração de dados clínicos, com ênfase no uso de padrões para modelos computacionais, estruturas e formatos de dados, conjuntos mínimos de dados, terminologias e estruturas de mensagens que viabilizem a troca ética e segura de dados de saúde entre sistemas heterogêneos para atender às necessidades da saúde, como a continuidade da atenção, o acompanhamento integral do paciente, e a gestão de saúde populacional a partir de dados clínicos individualizados

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Padrões para a Troca de Informações em Saúde
  • Recursos Terminológicos, Ontologias e Vocabulários
  • Interoperabilidade entre Sistemas de Informação em Saúde
  • Modelagem da Informação em Saúde
  • Representação e Gestão do Conhecimento
  • Governança de Dados em Saúde
  • Governança de Sistemas de Informação em Saúde
  • Segurança e Privacidade
  • Modelos de integração no ecossistema de saúde

 
4. Saúde Digital, Global e Mobilidade

A Saúde não se restringe aos profissionais de saúde e governo. O usuário de serviços de saúde é o ator fundamental e foco central da Saúde. O avanço da tecnologia possibilitou que os serviços digitais sejam, hoje, centrados no usuário e sejam desenvolvidos a partir do olhar, desejos e necessidade do cidadão. A Saúde Digital, entendida como área de conhecimento e prática, tem como foco o uso das tecnologias digitais para atender as necessidades de pacientes, cuidadores, cidadãos, gestores e profissionais de saúde. Idealmente, a Saúde Digital combina o amplo potencial da tecnologia, as necessidades da Saúde e o comportamento, expectativas, habilidades e interesses do usuário dos serviços de saúde, em benefício de todos. Esta não é uma tarefa simples, principalmente pela diversidade de atores, interesses, culturas, práticas e comportamentos. Ela envolve, por exemplo, entender a perspectiva e a experiência do paciente, promovendo seu engajamento, consolidando a cultura de participação para o autocuidado e bem-estar. Para tanto, é importante a colaboração de todas as disciplinas envolvidas como informática na enfermagem, saúde pública e populacional, promoção da saúde, educação em saúde, ciência da informação e ciência da comunicação. O conceito de Saúde Digital coberto por este eixo, inclui as atividades relacionadas com a Saúde Móvel e, como sua extensão, Saúde Global.

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Saúde Digital
  • Saúde Global
  • Saúde Móvel
  • Saúde Personalizada
  • Mídia Social e Saúde Conectada
  • Telessaúde
  • Simulação de Sistemas Complexos
  • Aplicações em Dispositivos Móveis para Educação em Saúde e Autocuidado
  • Biodispositivos, Sensores e Atuadores
  • Experiência do Paciente
  • Engajamento do Paciente
  • Adoção e Análise de Aceitação e Uso pelos Consumidores
  • Realidade Virtual, Simulação e Robótica
  • eHealth Literacy (Letramento Digital e de Saúde)
  • Ética
  • Modelos de visualização de dados para cidadãos e profissionais de saúde
  • Inteligência Artificial aplicada à Saúde Digital
  • Jogos e outras soluções em Saúde Digital

 
5. Educação, Treinamento e Formação Profissional

Educação é um termo que se refere ao aperfeiçoamento, ao conhecimento e à prática, promovendo interação entre pares para construir o conhecimento significativo, em busca da sabedoria. Educação e formação profissional são a base de crescimento e desenvolvimento desta área de conhecimento e da Informática Biomédica e em Saúde. O desenvolvimento de um conjunto relevante de iniciativas, sistemas, serviços para a ampla utilização da Informática em Saúde em benefício de cidadãos, profissionais e gestores de saúde, a construção de sistemas nacionais de registro eletrônico, o fortalecimento da informática clínica, da bioinformática e da Saúde Digital só acontecem com a formação de profissionais capacitados, com as competências e as habilidades necessárias promover inovação que sustente o empreendedorismo. Este eixo aborda as iniciativas, experiências e práticas para melhorar e consolidar a educação, o treinamento e a formação profissional em Informática em Saúde.

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Informática em Educação Profissional de Saúde
  • Residência Médica e Multiprofissional
  • Tecnologia da Informação na Educação do Profissional de Saúde
  • Ensino de Informática em Saúde como Disciplina
  • Formação de Mestres e Doutores
  • Formação de Recursos Humanos
  • O Informata em Saúde como Profissão
  • Perfil do profissional de saúde na Era Digital
  • Educação Digital do Profissional de Saúde
  • Ética na Informática em Saúde
  • Jogos e outras soluções digitais em Educação em Saúde

 
6. Organização, Gestão, Avaliação e Impacto Social da Informática em Saúde e da Saúde Digital

A Saúde Digital vem transformando os serviços de saúde em todo o mundo. A saúde está intimamente associada à informação e vem utilizando conhecimento e tecnologia para viabilizar mecanismos inovadores, efetivos, eficazes e eficientes que ampliam o alcance e aumentam a qualidade, a resolutividade dos diversos aspectos da atenção à saúde. A experiência internacional é vasta. Países como Austrália, Estados Unidos, Inglaterra, Escócia, Canadá, Dinamarca e Suécia investem em infra e info estrutura, sistemas, serviços, recursos humanos e modelos de organização para aproveitar ao máximo os benefícios da Saúde Digital. Em 2013, a Assembleia Geral da OMS (Organização Mundial de Saúde) aprovou uma resolução para que os países definissem estratégias para a Saúde Digital com base nos padrões de interoperabilidade. Hoje, a OMS desenvolve esforços para a elaboração de uma Estratégia Global de Saúde Digital, por entender a necessidade de organizar as iniciativas de forma colaborativa entre países, organizações públicas e privadas, e centros de ensino e pesquisa, entre tantos outros. Os avanços mais significativos e consolidados, no mundo, estão associados a modelos robustos de governança   e   gestão   das   iniciativas   de Saúde Digital   em   países com modelos de   cobertura semelhantes ao SUS, como é o caso do Canadá, da Austrália e do Reino Unido.

Este eixo cobre iniciativas e quaisquer dos aspectos relacionados à concepção, desenvolvimento, implantação, monitoramento e avaliação de iniciativas de Saúde Digital em regiões, cidades, grandes organizações, ou ambientes complexos de uma forma geral, e tem como dimensões essenciais aquelas propostas pelo National eHealth Strategy Toolkit da OMS, também utilizadas no documento Estratégia e-Saúde do MS, publicado em 2017. Estas dimensões são: a) Liderança e Governança; b) Estratégia e Investimento; c) Legislação, Políticas e Regulação; d) Recursos Humanos; e) Sistemas e Serviços; f) Padrões e Interoperabilidade e g) Infraestrutura.

A lista não exaustiva de temas inclui:

  • Política Nacional de Informática em Saúde
  • Políticas Públicas para Saúde com apoio da Informática
  • Estratégia de Saúde Digital para o Brasil
  • Governança de Sistemas de Informação em Saúde
  • Financiamento e Valorização de P&D em Informática em Saúde
  • Dados Abertos em Saúde
  • Avaliação de Tecnologias em Saúde e Telessaúde
  • Desafios para Implementação de Sistemas Clínicos
  • Modelos de Ecossistema de Saúde
  • Indicadores de Saúde: Painéis de Monitoramento, Salas de Situação e Controle de Epidemias
  • Sistemas de Informação na Saúde Pública
  • Modelos de visualização de dados para tomadores de decisão em saúde
  • Ética e Legislação
  • Acesso à Informação e ao Conhecimento de Saúde pelo Cidadão e pela População